Proposta para a Reforma da Previdência será apresentada nesta segunda feira, 05/12/2016

O ministro da fazenda Henrique Meirelles informou que os líderes da base governista no Planalto e representantes das Centrais Sindicais, receberão do Presidente Michel Temer, nesta segunda-feira, uma proposta mais ampla de Reforma da Previdência. De acordo com o Planalto, o texto é mais robusto e envolve alterações importantes nas regras de aposentadoria, concessões de benefícios sociais e pensões, articulando diretamente com o mercado financeiro, visto as incertezas do cenário econômico.
As pautas do governo são conturbadas e criticadas pelos movimentos sociais, mas de acordo com Meirelles, a limitação dos gastos, a reforma da previdência e o controle da dívida, são essenciais para a recuperação da economia nacional.
Segundo Meirelles, enquanto participava do 12º Congresso Brasileiro de Construção, promovido pela Fiesp – Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, a economia nacional passou por um período critico, mas que começa a dar sinais de recuperação, precisando ser acompanhada de forma intensa, para que possa se estabilizar e finalmente retomar o curso correto.
Após um discurso do Presidente Michel Temer, que irá tratar das necessidades de votar a proposta, os principais pontos da Reforma serão detalhados, em transmissão a ser realizada pelo canal NBR, por Marcelo Caetano, Secretário da Previdência do Ministério da Fazenda, a partir das 17 horas, tal medida visa evitar possíveis ruídos de comunicação com setores do mercado financeiro e movimentos sociais.
Os parlamentares irão receber um texto constando as principais alterações na Previdência, para orientá-los no debate da matéria. Após a reunião com os líderes da bancada, até o momento não foi confirmada nenhuma coletiva de imprensa com Marcelo Caetano nem com Henrique Meirelles.
A previsão do Governo é de que em 10 anos a reforma da Previdência gere uma economia de R$ 678 bilhões. Tal economia deverá ser alcançada com o aumento no tempo de contribuição e dificuldades impostas para se alcançar a aposentadoria. Outra medida importante é a proibição de pensão por morte acumulada à aposentadoria e benefícios como pensões para deficientes deverão ser desvinculados do salário mínimo.
Na terça-feira, Caetano deverá dar uma entrevista aos principais meios de comunicação para elucidar possíveis dúvidas sobre a matéria.
A proposta foi encaminhada para o congresso, terça-feira, 06/12.