Positivo faz investimento em equipamento de saúde e comércio internacional

A empresa Positivo teve um faturamento nos meses de janeiro a setembro de 2017 de R$ 1,5 bilhão, resistindo a crise econômica do país e a mudança de hábito do consumo brasileiro. Esse faturamento registrado é equivalente ao do mesmo período de 2016. Em 11 trimestres a empresa encolheu o PIB em 8,2%, com uma receita total em 2016 de R$ 1,75 bilhão, conta o presidente da empresa, Hélio Bruck Rotenberg.

Em 2016 a venda de PCs no país despencou para 4,5 milhões, sendo que em 2012 eram de 15,5 milhões o que fez com que a empresa investisse no smartphone Quantum.

As melhorias continuaram, quando a empresa comprou parte da Hi Technologies e lançou o Hilab, um aparelho que funciona como laboratório móvel que faz exames e mostra resultados em questão de instantes.

A empresa sofreu uma alteração em seu nome, que passou de Positivo Informática para Positivo Tecnologia em abril deste ano, seguindo os passos da empresa Apple que retirou o Computer em seu nome para dar lugar a Apple Inc em 2007.

A internacionalização foi uns dos negócios da empresa Positivo para driblar a crise, abrindo dois centros de pesquisas em Xangai na China e Taipei, em Taiwan. A empresa possui fábricas em Manaus e na Argentina e inaugurou operações próprias em Kigali em Ruanda, Nairóbi – Quênia, e no Zâmbia. O presidente da Positivo destaca que o mercado africano surpreendeu a empresa de maneira positiva devido a sua utilização de computadores, tablets e smartphones serem menores que nos outros países.

A Positivo iniciou suas atividades no mercado da educação, com um curso pré-vestibular e uma gráfica. Em seguida teve avanços para o ensino fundamental e médio e o lançamento de apostilas e uma faculdade em Curitiba no Paraná. Após 17 anos da criação, foi lançada a Positivo Informática, o que na época era uma dificuldade devido ao mercado brasileiro ser fechado para importações de componentes tecnológicos impedindo o aprimoramento dos métodos em sala de aula. A partir daí surgiu o curso de informática da Faculdade Positivo que passou a montar computadores para o setor da educação logo em seguida. Os equipamentos fizeram sucesso e foram levados para todo o mercado.