O Japão Desarmado

Não é novidade alguma que o Japão é um dos países mais pacíficos do mundo. Mesmo assim, ao entrarmos em contato com alguns números ainda conseguimos ficar impressionados.

Em uma sociedade como a que estamos acostumados com notícias de tiroteios, assassinatos e crimes de toda natureza é quase inimaginável que exista um país onde em um ano foram registradas apenas seis mortes ocasionadas por armas de fogo. Pois este é o número de mortes registradas em todo o território japonês durante o ano de 2015 segundo o registro das autoridades locais.

As leis são rígidas para quem deseja portar uma arma de fogo no Japão. São exigidos exames de toda natureza para adquirir um determinado tipo de armamento. Para se ter uma ideia, apenas para a compra de um veículo, deve-se comparecer a uma unidade da polícia e comprovar que o comprador possui uma vaga de estacionamento em sua residência ou um local alugado onde possa deixar o carro. Outro detalhe é que essa vaga ainda deve ser próxima à sua residência, caso contrário não se pode adquirir um automóvel. Ou seja, como o fato de adquirir um bem é também assumir responsabilidades sobre ele, podemos então imaginar os enormes compromissos que um cidadão assume comprando uma arma de fogo no Japão.

A paciência oriental também é um destaque entre os policiais. Dificilmente um policial anda com uma arma de fogo, em geral somente os que enfrentam o crime organizado. Aproveitando-se disso, grupos de jovens tiram proveito dessa situação afrontado os policiais em abordagens aos grupos de arruaceiros. Segundo testemunhos de membros de corporações, não é fácil manter a calma em momentos como estes e sem o treinamento que possuem seria difícil manter o controle diante destas situações, uma vez que a violência não faz parte da cultura dos japoneses e os policiais têm a obrigação de dar o exemplo à sociedade.

O acesso às armas de fogo é tão difícil no Japão que até mesmo o crime organizado usa armas brancas, em sua maioria facas. Esta dificuldade imposta aos criminosos evita que seu poder de fogo seja mais eficaz em relação ao Estado, inibindo a sua atuação e consequentemente o seu crescimento.

O Japão tem certamente diversos motivos para repudiar a violência, pois os horrores da guerra continuam a assolar a lembrança dos que viveram esse pesadelo. O trabalho agora é manter esse pensamento pacífico entre as gerações atuais e as vindouras para que essa cultura não se perca com o passar dos anos.

Mais informações clique

http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2017-01-07/armas-de-fogo-japao.html