Marcio Alaor do BMG apresenta relatório sobre riqueza mundial

Desde o dia 23 de Junho (data do referendo sobre a permanência do Reino Unido na União Europeia) que os milionários residentes no Reino Unido tem vindo a decrescer de uma forma drástica e acelerada. O valor estimado da redução percentual de pessoas milionários a residir no Reino Unido é de 15 pontos percentuais. Segundo os dados divulgados pelo Credit Suisse, o impacto do referendo alterou o valor da moeda inglesa (redução de 15%) e o mercado de valores mobiliários (no dia do referendo, o mercado teve a maior queda desde a crise financeira de 2008).

Desde Junho de 2016 que o patrimônio familiar no Reino Unido tem vindo a cair de uma forma abrupta. Neste momento, o banco refere que em alguns meses até à data do referendo que a riqueza diminuiu 10%, o que representa uma perda de 1,5 trilhão de dólares americanos. Marcio Alaor, que é executivo do Grupo BMG, reporta que esta conclusão é uma das consequências diretas que o Brexit teve no setor econômico britânico.

O relatório apresenta um panorama bastante negativo no que diz respeito as taxas de câmbio e mercado da bolsa de valores após o referendo sobre a permanência do país na UE. O relatório apresenta estas drásticas quedas como um “fim tumultuoso”. Marcio Alaor da BMG reporta que o total do montante avaliado na riqueza privada do Reino Unido é de 14 trilhões de dólares americanos e que essa mesma riqueza está presente em 49 milhões de pessoas, em que 5% detém mais de um milhão de dólares americanos.

No mesmo relatório divulgado pelo banco suíço pode-se verificar que o maior beneficiário com esta queda foi o Japão. O país asiático é considerado uma das melhores e maiores economias mundiais e a riqueza aumentou cerca de 19 pontos percentuais em comparação com o período passado. Neste momento, o valor total da avaliação do patrimônio familiar no país é de cerca de 24 trilhões de dólares americanos. Segundo Marcio Alaor, do BMG, este aumento está relacionado com a posição favorável do iene face ao dólar americano. Outro país que viu o seu patrimônio familiar aumentar foi os Estados Unidos da América para os 85 trilhões de dólares americanos. Este aumento representa nova subida e acompanha o crescimento desta linha ao longo dos anos mais recentes.

No que diz respeito ao número de pessoas com mais de um milhão de dólares americanos, o executivo do BMG, Marcio Alaor salienta a subida de 596 mil para 32,9 milhões de pessoas. De fato, é um número bastante positivo e animador para a população mundial, contudo esta subida só se notou em determinados países como o Japão, China, Alemanha ou Canadá. Tanto a Índia e Austrália foram as grandes surpresas deste relatório que coloca estes países perto dos países mencionados e que demonstraram uma taxa de crescimento mais rápida.

Por fim, Marcio Alaor doBMG refere que este relatório conclui que a riqueza no mundo neste último período subiu para os 256 trilhões de dólares americanos, o que representa uma ténue subida percentual de cerca de 1,4%.