Idosa será indenizada por supermercado em R$ 18.740,00 após ser acusada de furto

O conhecido grupo de supermercados Pão de Açúcar foi condenado pela justiça de São Paulo, em primeira instância, a indenizar uma idosa de 66 anos em R$ 18.740,00. O caso ocorreu após um funcionário de um supermercado, localizado em Santos, tê-la acusado de furtar carne.

De acordo com a idosa quando ela já estava dentro do carro, se preparando para ir embora, foi abordada por uma equipe da Polícia Militar. Ela disse que por um instante pensou que o motivo da abordagem tivesse sido por ela não estar com o cinto de segurança. Mas isso logo se desfez quando lhe pediram que voltasse ao estabelecimento para apresentar a notal fiscal.

De acordo com a filha da idosa e também advogada, eles a acusaram de furtar um pedaço de carne do supermercado. Revelou que a situação gerou muito constrangimento para sua mãe, visto que ela é uma pessoa conhecida por lá, por já frequentar o estabelecimento há algum tempo.

Quando voltou ao local, ela prontamente apresentou a nota fiscal com o item pago. O gerente do local que já a conhecia desfez a acusação. Disse que, na verdade, tratou-se de um grande mal entendido.

A filha relatou que foi ao supermercado, onde ocorreu o incidente, e falou com o funcionário que recebeu a informação de que havia um caso suspeito no local. Ela disse que não houve sequer uma apuração do ocorrido, simplesmente agiram sem averiguar nada.

Contou que saindo do estabelecimento dirigiram-se à delegacia e fizeram um Boletim de Ocorrência e logo depois entraram com ação de indenização por dano moral.

A ação, que tramitou na 4ª Vara Cível de Santos, teve como Juiz responsável Frederico dos Santos Messias, que entendeu que houve dano moral em razão da acusação de furto. Quantificou a acusação em 20 salários-mínimos — R$ 18.740,00.

Constou na sentença, que por se tratar de uma senhora idosa, foi absolutamente desnecessário terem chamado a Polícia Militar. Disse que em caso de suspeita, a abordagem deve ser sempre discreta e com respeito, evitando-se, dessa forma, qualquer tipo de humilhação.

Não se sabe se o Grupo Pão de Açúcar vai recorrer da decisão, mas por meio de nota divulgada, esclareceu que não faz comentários sobre casos que estão nas mãos da justiça.