Expectativa de vida do brasileiro cresce e mortalidade infantil cai, aponta IBGE

Em 2016, a expectativa de vida dos brasileiros era de 75,8 anos, e teve um crescimento de três meses e 11 dias em comparação com a expectativa de vida dos brasileiros nascidos em 2015. Os dados são referentes as Tábuas Completas de Mortalidade do Brasil de 2016, de responsabilidade do IBGEInstituto Brasileiro de Geografia e Estatística, e apresenta toda a expectativa de vida de uma pessoa até 80 anos. Esses dados são também utilizados como parâmetros para o Regime Geral de Previdência Social, sendo utilizado como base de cálculo.

A última edição divulgada em 2017, compara dados levantados em 1940, quando começou a ser realizada esta verificação demográfica aqui no Brasil, apontando recuo nas taxas de mortalidade no país.

De acordo com esses dados, a expectativa de vida em relação aos homens cresceu de 71,9 anos para 72,2 anos, entre 2015/2016. A expectativa de vida para as mulheres cresceu de 79,1 para 79,4 no mesmo período. As chances de uma criança recém-nascida do sexo masculino em 2016 vir a óbito com menos de um ano de idade, era de 14,4 a cada mil crianças. Para as crianças nascidas no sexo feminino, o número de mortalidade antes de completarem um ano de idade era de 12,2 nascimentos a cada mil.

Em comparação com o ano de 2015, os números de mortalidade infantil tiveram redução, com números menores de mortalidade de crianças com idade até cinco anos. No geral, a taxa de mortalidade de crianças com menos de cinco anos era de 16,1/1000 em 2015, recuando para 15,5/1000 em 2016. Os dados ainda apontam para as probabilidades das crianças atingirem certa idade, sendo que as crianças que vieram a óbito antes de completarem cinco anos de idade, 85,8% delas poderiam ter falecidos logo no primeiro ano de vida, e os 14,2% restantes de crianças poderiam falecer entre um e quatro anos de idade.

Em comparação com a primeira pesquisa realizada em 1940, as chances de uma criança vir a óbito entre um e quatro ano de idade era de 30,9%, uma redução no número de mortes de mais de 50% ao longo dos anos. De um modo geral, a taxa de mortalidade infantil caiu 90,9% entre o período de 1940 a 2016, sofrendo redução na mortalidade infantil de 14,6/1000 para 13,3/1000 para as crianças de até 12 anos.