Cientista australiano encontra nova espécie de ratazana gigante

Cientistas descobriram uma nova espécie de roedor nas Ilhas Salomão, localizadas no Oceano Pacífico, que são quatro vezes maior que os roedores que conhecemos. Segundo os cientistas, o animal encontrado chega a ter um comprimento de quase meio metro. Seu ambiente natural está entre as árvores da região onde foi encontrado e o animal se alimenta de castanhas que são abertas com os próprios dentes.

A uma distância de 1.800 km da Austrália, as Ilhas Salomão possuem o registro de outras oito espécies de roedores encontradas que diferem de todo o mundo. Contudo, está recente descoberta é a mais nova em 80 anos.

O roedor encontrado compõe a mesma família de camundongos e ratos que conhecemos, a Muridae. A nova espécie foi chamada de Uromys vika e foi encontrada no folclore local da ilha.

Os cientistas revelaram que a cadeia de ilhas onde a nova espécie foi encontrada compõe um ambiente caracterizado como biologicamente isolado. Sendo assim, as espécies que são encontradas nessa região geralmente são únicas e não há registro delas em outras regiões do mundo. Como é o caso da maioria dos mamíferos que foram encontrados na região, eles jamais foram vistos em outra parte do planeta.

O biólogo australiano Tyrone Lavery, responsável pela descoberta do roedor, disse sobre a nova espécie encontrada: “Quando conheci o povo da ilha Vangunu, eles me contaram sobre uma ratazana nativa que eles chamavam de vika, que vivia nas árvores”.

Tyrone Lavery que é pesquisador da Universidade de Queesland, na Austrália, e do Field Museum, em Chicago, revelou que estava à procura da ratazana desde o ano de 2010. Contudo, o animal parecia se esconder do pesquisador até a recente descoberta.

O pesquisador conta: “Comecei a me questionar se era realmente uma espécie diferente, ou se as pessoas estavam apenas chamando os ratos normais de ‘vika’. Assim que examinei o espécime, sabia que havia algo de diferente”.

O animal foi encontrado em novembro de 2015, quando um guarda ambiental presenciou um rato enorme descendo de uma árvore de 10 metros que foi derrubada por lenhadores. O rato morreu por causa da queda, mas seu corpo foi enviado até o Museu de Queesland para que o biólogo Lavery pudesse analisar.

“Só existem oito espécies de ratos nativos das Ilhas Salomão, e olhando as características do crânio, consegui excluir boa parte das espécies imediatamente”, conta Lavery.