Adultos com mais de 80 anos podem doar órgãos, sugere novo estudo

Diana Teller nunca pensou que ela era velha demais para nada, nem para o mergulho, viajar pelo mundo ou ter aulas de italiano para idosos, recordou sua família.

Então, quando a mulher de San Diego, Califórnia, morreu no ano passado aos 76 anos por causa de uma hemorragia cerebral repentina, ninguém perguntou se ela era velha demais para ser uma doadora de órgãos.

“Eu nunca pensei nela como alguém de idade avançada”, disse sua filha Lori Teller, 57.

Apesar dessas convicções, é raro de ocorrer doações de adultos mais velhos como Teller, cujas córneas, rins, fígado e tecido foram utilizados. Dos 9.079 doadores de órgãos falecidos nos Estados Unidos em 2015 apenas 618 tinham 65 anos ou mais, de acordo com a Organ Procurement and Transplantation Network (OPTN).

Isso acontece devido a políticas e práticas no país, que geralmente impõem limites na idade, e regulamentos federais que penalizam centros quando eles têm maus resultados, potencialmente reduzindo a oferta de órgãos em um país onde cerca de 120.000 pessoas esperam transplantes, dizem os especialistas.

Mas um novo estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Turim, no noroeste da Itália, sugere que os corpos não devem ser excluídos, neste caso, os rins, somente por causa da idade avançada.

Uma revisão de quase 650 transplantes de doadores de rins falecidos entre 2003 e 2013 que tinham entre 50 e 80 anos descobriu que a sobrevivência do paciente e o funcionamento do órgão estavam em níveis altos, mesmo entre os doadores mais velhos.

“Com base nestes resultados, os órgãos de doadores muito idosos representam um recurso que deve ser avaliado com precisão”, disse o Dr. Luigi Biancone, nefrologista e principal autor do estudo publicado no Journal of the American Society of Nephrology.

O estudo vai contra pesquisas anteriores e reforça uma visão em crescimento nos EUA que diz que os órgãos mais antigos devem ser considerados para alguns pacientes, disse o Dr. David Klassen, diretor médico da United Network for Organ Sharing (UNOS), o grupo sem fins lucrativos que supervisiona o sistema de transplantes em todo o país.

Nos EUA, mais de 99.000 pessoas esperam por transplantes de rim, incluindo muitos em estados como a Califórnia, onde pode demorar até uma década para obter um órgão de um doador falecido recentemente. Ao mesmo tempo, mais do que 3.100 rins foram descartados no ano passado, geralmente por causa da sua qualidade questionável, incluindo 515 a partir de doadores com mais de 65 anos, de acordo com o OPTN.

O novo estudo descobriu que as taxas de sobrevivência de pacientes a cinco anos eram altas, entre 88% a 90%, incluindo 265 pacientes que receberam rins de doadores com idade entre 70 e 27 que receberam órgãos de doadores com idade superior a 80. A sobrevivência de cinco anos dos rins também foi robusta, quase passando de 66% neste grupo etário e mais de 75% em todas as idades.