A gigante Nintendo está (literalmente) de tirar o chapéu em 2017

O ano de 2017 é definitivamente o ano da gigante japonesa Nintendo. A empresa tem conseguido se reinventar, mesmo sendo centenária no mercado de entretenimento, quando começou com cartas de baralho.

Até o fim de 2016, a Nintendo estava amargando o fracasso comercial do seu penúltimo console, o Wii U, e a reduzida biblioteca de jogos para o videogame. Mesmo com os seus clássicos first-parties, como o já citado italiano e Zelda, o sucessor do Wii não vingou no mercado, chegando até a ameaçar a Nintendo perante os seus concorrentes – a saber, o bem consolidado Playstation 4 da Sony e o firme e forte Xbox One da Microsoft.

Todavia, desde o anúncio do videogame Switch, a Nintendo ficou em alta na mídia, mesmo sendo só um hype. Depois de muitas especulações e vazamentos (o que só deixou a casa do Doneky Kong e do Splatoon em mais evidência), o console finalmente foi lançado em 2017 e, como esperado pelo hype, foi um sucesso imediato – e ainda é.

Apesar do videogame continuar não tendo um hardware páreo com os da concorrência – metodologia adotada pela Nintendo desde o Wii –, o novo conceito do Nintendo Switch revolucionou o mercado: um console híbrido com portátil. O Switch pode ser jogado tanto na TV, como um videogame de mesa, como em qualquer lugar, assim como outros games móveis – e sem perder poder de fogo (há uma pequena queda de performance quando em mobilidade, mas nada que desabone o Switch).

Uma andorinha sozinha não faz verão: um videogame sem jogos não tem muita utilidade. Mas a Nintendo, que não é nada boba, lançou seu console com vários games de peso, como The Legend of Zelda: Breath of The Wild (considerado pela mídia como o Jogo do Ano), Super Bomberman R, Arms, Mario Kart 8 Deluxe e Splatoon 2. Fora o fato da softhouse nipônica ter se aliado com outras empresas de renome, como a Capcom e a Ubisoft, que já anunciaram os seus títulos ao promissor Switch.

Mas o que tem feito a Nintendo estar (literalmente) de tirar o chapéu é o jogo Mario Odyssey, anunciado na E3 2017. Neste game para o Switch, o famoso encanador deve (como de praxe) resgatar a princesa Peach do malévolo monstro Bowser. Desta vez, o italiano bigodudo usará o seu chapéu como arma contra os inimigos, vestimenta encantada pelo fantasma aliado Cappy. Além da função ofensiva, o chapéu pode controlar objetos e inimigos para resolução de puzzles e afins. Outros pontos fortes do jogo são os ricos cenários (como a referência a cosmopolita Nova Iorque). De fato, a Nintendo está acertando em cheio!

Fonte: IGN Brasil