Supremo quer destituir Parlamento Venenzuelano

 

A Venezuela vive tempos conturbados pela crise que está a passar e a situação está longe de estar controlada pelo governo de Maduro. Depois do governo brasileiro ter dado poderes ao Tribunal Supremo de Justiça para poder dissolver o Parlamento Nacional da Venezuela, agora é o vice-presidente do Parlamento a noticiar que na próxima semana o maioria do parlamento votará na destituição dos juízes do Tribunal Supremo de Justiça.

Este é o resultado de uma luta de poderes interna entre os chavistas e os opositores ao regime venezuelano. Ao que tudo indica, o Tribunal Supremo de Justiça é dominado por magistrados afectos ao governo de Maduro e terá assumido as competências do Parlamento. Esta decisão tem levado a grave crise política e económica a um nova cisão entre as partes e o ato foi já condenado internacionalmente por vários países e organizações.

A maioria do Parlamento do país é dominado pelos partidos opostos ao partido de Maduro e anunciaram no dia 2 de Abril que pretendem ativar um processo para afastar os magistrados da Sala Constitucional do Supremo Tribunal de Justiça.

De acordo com o vice-presidente Freddy Guevara no Palácio Federal Legislativo, “Esses magistrados que deram um golpe de Estado não podem ficar impunes. Não vamos nos render”. Durante o discurso, o deputado Freddy Guevara pediu ao povo venezuelano para se manifestar nas ruas da cidade de Caracas contra esta decisão governamental de Maduro. O político pretende que o povo mostre a concordância com esta decisão do Parlamento em destituir os magistrados. De acordo com a imprensa nacional, a manifestação terá lugar na Plaza Venezuela às 10 horas.

Na continuação do seu discurso, Freddy Guevara prosseguiu afirmando que pretende que o poder parlamentar esteja nas mãos do povo, “Vamos vencer esta luta, que terminará com uma vitória na qual todos os poderes estarão ao lado do povo” e prosseguiu ainda o seu discurso pedindo “respeito ao voto de todos os venezuelanos e a restituição à ordem constitucional do país”.

Ao que tudo indica, a decisão do Tribunal Supremo de Justiça Venezuelana em retirar os poderes ao Parlamento Nacional foi cancelado pelos mesmos devido à pressão crescente e preocupante de entidades opositoras e de organizações internacionais. A Mercosur está atenta ao desenvolvimento da situação no país e já ativou a cláusula democrática que permite estar mais atento à situação que o povo venezuelano está a passar.